Vidas Secas Quotes.

1. "Se aprendesse qualquer coisa, necessitaria aprender mais, e nunca ficaria satisfeito."
- Graciliano Ramos, Vidas Secas

2. "Natural, xingar a mãe de uma pessoa não vale nada, porque todo mundo vê logo que a gente não tem intenção de maltratar ninguém. Um ditério sem importância."
- Graciliano Ramos, Vidas Secas

3. "Pois não estavam vendo que ele era de carne e osso? Tinha obrigação de trabalhar para os outros, naturalmente, conhecia o seu lugar. Bem. Nascera com esse destino, ninguém tinha culpa de ele haver nascido com um destino ruim. Que fazer? Podia mudar a sorte? Se lhe dissessem que era possível melhorar de situação, espantar-se-ia. Tinha vindo ao mundo para amansar brabo, curar feridas com rezas, consertar cercas de inverno a verão. Era sina. O pai vivera assim, o avô também. E para trás não existia família. Cortar mandacaru, ensebar látegos — aquilo estava no sangue. Conformava-se, não pretendia mais nada. Se lhe dessem o que era dele, estava certo. Não davam. Era um desgraçado, era como um cachorro, só recebia ossos. Por que seria que os homens ricos ainda lhe tomavam uma parte dos ossos? Fazia até nojo pessoas importantes se ocuparem com semelhantes porcarias."
- Graciliano Ramos, Vidas Secas

4. "Diante dos juazeiros, Fabiano apressou-se. Sabia lá se a alma de Baleia andava por ali, fazendo visagem?"
- Graciliano Ramos, Vidas Secas

5. "Fabiano estirou o beiço, duvidando."
- Graciliano Ramos, Vidas Secas

6. "Tinha o coração grosso, queria responsabilizar alguém pela sua desgraça."
- Graciliano Ramos, Vidas Secas

7. "Ainda na véspera eram seis viventes, contando com o papagaio. Coitado, morrera na areia do rio, onde haviam descansado, à beira de uma poça: a fome apertara demais os retirantes e por ali não existia sinal de comida. Baleia jantara os pés, a cabeça, os ossos do amigo, e não guardava lembrança disto. Agora, enquanto parava, dirigia as pupilas brilhantes aos objetos familiares, estranhava não ver sobre o baú de folha a gaiola pequena onde a ave se equilibrava mal."
- Graciliano Ramos, Vidas Secas

8. "Num cotovelo do caminho avistou um canto de cerca, encheu-o a esperança de achar comida, sentiu desejo de cantar. A voz saiu-lhe rouca, medonha. Calou-se para não estragar força."
- Graciliano Ramos, Vidas Secas

9. "Entrava dia e saía dia. As noites cobriam a terra de chofre. A tampa anilada baixava, escurecia, quebrada apenas pelas vermelhidões do poente."
- Graciliano Ramos, Vidas Secas

10. "Resistiram à fraqueza, afastaram-se envergonhados, sem ânimo de afrontar de novo a luz dura, receosos de perder a esperança que os alentava."
- Graciliano Ramos, Vidas Secas

  1.                                              Next Page